Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

No DF, receitas médicas terão que ser feitas no computador



16/10/2008
O governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, sancionou na sexta-feira (10) uma lei que obriga que todas as receitas feitas por médicos e dentistas nos hospitais públicos e particulares do DF sejam informatizadas. O prazo para a implementação do sistema é de 90 dias.

Segundo a Secretaria de Saúde do Distrito Federal, já existe um projeto de informatização da rede pública, bem mais amplo, que prevê o arquivamento de toda a história do paciente.

Mas o órgão acredita que três meses seja um prazo curto para a instalação do sistema eletrônico. "Certamente vamos ultrapassar os 90 dias porque vamos ter de implantar a informatização como um todo, o que cobre prontuário eletrônico", afirma o assessor da secretaria, Lúcio Pereira.

Para o presidente do Sindicato dos Médicos do DF, Cezar Galvão, a iniciativa deve beneficiar os pacientes, mas é preciso dar tempo para os profissionais da rede pública se adequarem. "Tem que ter um prazo cabível para capacitar os profissionais, nem todos sabem utilizar a internet e possivelmente há que se fazer capacitação com o tempo adequado. Vamos ter um prontuário único, o administrador vai poder monitorar gastos e o médico vai ter condição de prestar melhor atendimento à população", diz.

Pacientes

A medida visa acabar com as dificuldades para compreender a letra de médicos. "Não entender nem a hora da medicação, nem nada, é difícil", conta a dona de casa Clarisvelce Teixeira.

O autônomo Nivaldo Costa também reclama. "[O médico] só faz uns garranchos lá e só quem entende é o farmacêutico."

"Acontece de a gente levar o e o farmacêutico dar um similar, a gente nem sabe o que tá dando em casa", diz a tatuadora Diuvanira Mendes.

Segundo a farmacêutica Alessandra Nunes, às vezes é preciso ligar para o médico quando há dúvidas sobre o que está escrito. "Isso ocorre muito no nosso dia-a-dia, algumas letras de alguns médicos podemos confundir de dois a três tipos de medicamentos, levando mais riscos à vida do paciente", diz.
Fonte : Portal G1



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 853 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)