Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Criação de consórcios para contratação de médicos é avanço e risco para a FENAM


Foto: Waldemir Barreto
Criação de consórcios para contratação de médicos é avanço e risco para a FENAM
O relator da proposta na CCJ foi o senador Paulo Davim (PV/RN).


07/11/2013
A proposta de emenda à Constituição (PEC 46/2013) foi aprovada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado Federal, nesta quarta-feira (06). A matéria trata da instituição de consórcio público destinado à atração exclusiva do médico no âmbito da atenção básica do Sistema Único de Saúde (SUS). Para a Federação Nacional dos Médicos (FENAM), a PEC representa certo avanço e alto risco ao mesmo tempo.

O presidente da entidade, Geraldo Ferreira, ressaltou que o movimento médico anseia é pela criação de uma carreira pública com regime jurídico único. "De um lado, qualquer tentativa de garantir direitos trabalhistas tem valor. Por outro lado, existe a fragilidade da contratação por consórcios, onde a relação é movida por interesses particulares dos municípios e não há estabilidade. Uma carreira nesses moldes não é a preconizada pelas entidades médicas". Ele ainda explicou que o modelo não se trata de uma solução definitiva, baseado nos exemplos que o país possui e findaram em falências e calotes.

Pela PEC, os consórcios deverão ser construídos, com formato de fundação pública, mediante inciativa da União e adesão voluntária dos estados e do Distrito Federal. Os médicos deverão atuar em órgãos e entidades de quaisquer dos entes federados consorciados. Ainda que não possa se consorciar, um município poderá firmar convênio para que os profissionais atuem em órgãos e entidades municipais de saúde, exclusivamente na atenção básica.

O relator da proposta, o senador Paulo Davim (PV/RN), considera a iniciativa acertada por dar garantia jurídica aos profissionais, que terão uma carreira estruturada e serão admitidos por concurso. Em seu relatório, o parlamentar afirma que os consórcios podem assegurar uma gestão mais ágil, resultando em valorização dos profissionais médicos, que farão parte de uma "carreira nacional sólida e serão condizentemente remunerados".
Fonte : Fernanda Lisboa



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1099 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)