Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Senado concluirá votação da PEC do Orçamento Impositivo na próxima terça


Foto: Agência Senado
Senado concluirá votação da PEC do Orçamento Impositivo na próxima terça
A PEC trata da criação de uma fonte de financiamento estável para a saúde pública.


07/11/2013
Ficou para a próxima terça-feira (12) a conclusão pelos senadores da análise da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Orçamento Impositivo (565/06, na Câmara, e 22/00, no Senado), que torna obrigatória a execução de emendas parlamentares ao Orçamento da União e cria uma fonte de financiamento estável para a saúde pública. O texto base da PEC do Orçamento foi aprovado na noite de terça-feira (5) em primeiro turno, por 62 a 9 votos.

Nesta quarta-feira (06), foi aprovado pedido para votação em separado de emenda do senador Cícero Lucena (PSDB-PB). Ele quer garantir a aplicação progressiva, pelo governo federal, de um percentual da receita corrente líquida (RCL) da União na saúde. Pela emenda, em 2014 seriam aplicados 15% e, em 2017, esse índice chegaria a 18%.

O texto aprovado em primeiro turno estipula que o índice será de 15%, a ser atingido gradualmente após cinco anos: 13,2% em 2014; 13,7% em 2015; 14,1% em 2016; 14,5% em 2017; e 15% em 2018. Para chegar aos 15%, serão computados os recursos das emendas parlamentares e dos royalties do petróleo.

O líder do governo, senador Eduardo Braga (PMDB-AM), afirmou que chegar a 15% em 2018 é a solução possível. "Isso significa garantir, nos próximos cinco anos, uma média de mais de R$ 10 bilhões por ano, novos, para a saúde pública. Portanto, se não é a solução ideal, é a solução mais do que possível na engenharia atual do orçamento econômico brasileiro e do Orçamento da União, tendo em vista que a União será o único ente da Federação que terá a sua receita corrente líquida vinculada a um percentual da saúde, já que os estados e municípios possuem uma vinculação não com a receita corrente líquida, mas sim com a receita tributária", explicou Braga.

Na votação dos demais destaques apresentados ao texto principal, após mais quatro horas de discussão no Plenário do Senado, não houve nenhuma alteração nesta quarta-feira ao texto principal da PEC do Orçamento Impositivo. Na forma como foi aprovada no primeiro turno, a proposta torna obrigatória a execução de emendas parlamentares até o limite de 1,2% da RCL da União no exercício anterior. Desse total, 50%, ou seja, 0,6% da RCL, terão que ser aplicados na área de saúde.
Fonte : Imprensa FENAM



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 766 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)