Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Congresso discute judicialização da saúde e manutenção da cobertura universal



03/10/2013
A judicialização da saúde e a preservação do direito à cobertura universal em um contexto de crise econômica são os principais temas em discussão no 3º Congresso Ibero-Americano de Direito Sanitário, que começou nesta quarta-feira (02) e vai até sexta (4), na sede da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O evento é realizado simultaneamente ao 2º Congresso Brasileiro de Direito Sanitário e marca os 25 anos da Constituição Federal e da garantia da saúde como um direito do cidadão e um dever do Estado.

Segundo a pesquisadora da Fiocruz e presidente do Congresso Ibero-Americano, Maria Célia Delduque, a meta do evento é discutir como o direito pode manter a cobertura universal de saúde. "Vivemos crises sem precedentes na região ibero-americana. Como o direito pode preservar todas as conquistas dos direitos sociais, especialmente o da saúde, e estabelecer um limite para que a crise econômica não seja uma justificativa para cortar os benefícios?", indagou Maria Célia.

Ela vai apresentar aos congressistas um estudo sobre mediação sanitária, propondo uma alternativa à judicialização da saúde com a criação de núcleos de mediadores para buscar a solução de conflitos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Dessa forma, seria possível evitar que as partes em conflito recorressem à Justiça.

Para o representante da Rede Direito Sanitário, Saúde e Cidadania, Neilton Araújo de Oliveira, apesar das grandes conquistas do sistema universal de saúde consagrado na Constituição, existem ainda muitos desafios na área: financiamento adequado do SUS, qualificação dos profissionais de saúde de acordo com as necessidades da população e gestão mais ágil do setor.

"A saúde é um bem social e, ao mesmo tempo, uma mercadoria. Em alguns momentos, esse conflito pesa mais para o lado do mercado. Muitas vezes, os governos apoiam mais os incentivos a planos de saúde do que o SUS", disse Oliveira.

O representante do Conselho Nacional de Secretários de Saúde, Fernando Cupertino, ressaltou que deve-se discutir a crônica falta de financiamento do SUS e apoiar o projeto de lei de iniciativa popular que obriga a União a destinar, anualmente, o mínimo de 10% da receita corrente bruta para a saúde.

"Uma das ameaças mais sérias ao SUS está representada pelos interesses de mercado, que teimam em apresentar a saúde como um bem de consumo, e não como um direito de cidadania. Há uma participação ambígua do setor público e do setor privado na área da saúde que, em vez de serem complementares, são concorrentes", destacou Cupertino. Para ele, a lógica do lucro acaba fazendo com que os casos mais complexos e mais dispendiosos recaiam sobre o setor público.
Fonte : Agência Brasil



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 835 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)