Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

UFRN é uma das universidades que já recusou imposição de adesão ao Mais Médicos



30/07/2013
Na última quinta-feira (25), cerca de 100 manifestantes, entre médicos e estudantes de Medicina, realizaram protesto em frente ao prédio da reitoria da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). O movimento criticava o apoio da instituição de ensino ao programa "Mais Médicos", lançado esse mês pelo Governo Federal. O programa, que possui caráter de medida provisória, prevê – entre outros pontos – que o estudante deve, obrigatoriamente, prestar dois anos de serviços ao Sistema Único de Saúde (SUS) ainda durante o período da graduação.

O principal ponto discutido pelos participantes do movimento era o imediatismo nas decisões cobradas pelo Governo junto às universidades do País. Para uma das médicas residentes em infectologia no Hospital Universitário Onofre Lopes (Huol), Roberta Lacerda, o quadro é absolutamente insustentável. "Essas medidas foram impostas às instituições de ensino de maneira ditatorial. Ora, como se pode cobrar adesão a um programa que nem está completamente elaborado ainda? Há muito pontos que necessitam urgentemente de um esclarecimento por parte dos ministérios da Educação e da Saúde", pondera a residente.

Quanto às alegações e justificativas dadas pelos autores da proposta, a médica é taxativa. "Eles (os ministérios) se defendem, dizendo que essa seria uma maneira de dar ao estudante de Medicina a vivência prática no âmbito do sistema público de saúde. Segundo foi dito, os profissionais estariam muito mais bem preparados para exercer a Medicina com essa espécie de estágio probatório. A questão é que há mais de 12 anos o departamento responsável pela graduação em Medicina da UFRN tem um projeto político-pedagógico voltado à formação de generalistas, ou seja, já existe uma preparação adequada para formar profissionais perfeitamente capazes de exercer suas funções tanto na rede pública como privada", enfatiza.

Após a realização do protesto, a reitora da universidade, Ângela Paiva, anunciou que a instituição não vai indicar imediatamente a adesão de assessores e consultores junto aos municípios do Rio Grande do Norte que aderiram ao programa.

O pró-reitor João Evangelista de Oliveira, juntamente com comissão formada por sete professores, deve avaliar os pontos em pauta na questão do programa e encaminhar as propostas à administração central da UFRN, que fará o encaminhamento ao Governo Federal em um prazo de 30 dias.

Roberta Lacerda enfatiza a importância do posicionamento da reitora Ângela Paiva frente ao problema. "A decisão da UFRN de analisar com mais calma foi coerente e sensata. As coisas não podem ser feitas através de imposição, precisamos saber detalhadamente no que consiste cada tópico do programa que vai ser impalantado. Essa foi a maior reivindicação do nosso protesto. Estamos muito satisfeitos com o resultado final da movimentação", conclui.

Fonte : Portal JH



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1097 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)