Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

FENAM responde presidenta do CNS sobre seu desligamento das comissões


Foto: Divulgação/FENAM
FENAM responde presidenta do CNS sobre seu desligamento das comissões



22/07/2013
Em resposta à nota dada pela presidenta do Conselho Nacional de Saúde, Maria do Socorro de Souza, na qual questiona a saída das entidades médicas do CNS, a Federação Nacional dos Médicos (FENAM) esclarece que na sexta-feira (19), enviou ofício protocolado sobre seu desligamento do Conselho. A saída deveu-se à falta de espaço e respeito à categoria médica, em relação às outras profissões que compõem o CNS. A FENAM entende que, já que não há voz para os médicos dentro do Conselho, não há razão para continuar com seus representantes como membros. Toda a luta da entidade é em prol de poder dar o atendimento que a população brasileira merece, e não faz sentido algum Socorro divulgar que o rompimento mostra descompromisso com a saúde.

A FENAM ainda se surpreende quando o CNS reconhece que a principal saída para a crise é o financiamento adequado e carreira para os profissionais, além da melhoria da gestão. Essas sempre foram as bandeiras da Federação, a qual lamenta ter tido que tomar essa decisão, diante do apoio da presidenta do CNS nos discursos sobre o Programa Mais Médicos e os vetos à lei que regulamenta a medicina.

A FENAM rompeu com onze comissões junto ao governo, sendo cinco do CNS. O presidente da entidade, Geraldo Ferreira, ressaltou que não faz sentido a categoria participar de grupos para solucionar os problemas da saúde brasileira e os médicos não serem ouvidos. "Nós entendemos que o governo está com uma série de comissões nos usando, dizendo que temos voz, quando na verdade está nos enganando".


Confira à nota abaixo:

A presidenta do Conselho Nacional de Saúde, Maria do Socorro de Souza, apesar de saber somente por nota na imprensa, lamentou muito a saída das entidades médicas do CNS, por conta da posição de apoio às primeiras medidas adotadas pelo Governo Federal com o programa Mais médicos. "O Conselho de Saúde é o fórum legítimo para discutir o assunto, e quando a categoria médica decide sair, mostra o descompromisso com a saúde pública brasileira", disse a presidenta do CNS. Socorro Souza, está participando de uma reunião em uma aldeia Xavante no estado do Mato Grosso, e disse que um dos principais problemas das comunidades indígenas é também o clamor da sociedade brasileira: a falta de médicos.

O plenário do CNS aprovou no mês de junho deste ano, uma MOÇÃO de apoio a "contratação emergencial de médicos estrangeiros, observados critérios de qualidade efetivados no Brasil e a participação do Controle Social, para atuarem em regiões do Brasil com pessoas sem acesso aos serviços médicos". Na ocasião, o debate teve a presença das entidades médicas que tem acento no Conselho Nacional de Saúde. As entidades que compõem o CNS, afirmam que a principal saída para os problemas da saúde pública brasileira é o financiamento adequado e carreira para equipes multiprofissionais, além da melhoria da gestão. Segundo ainda a presidenta do CNS, as entidades médicas se retiram do debate no momento mais importante para se encontrar esses caminhos.

O Conselho Nacional de Saúde não é "aparelho" do Governo, como afirma as entidades médicas. O CNS é um organismo de representatividade com 144 entidades, dentre estes, 12 entidades de trabalhadores da saúde, além de gestores, usuários, e prestadores de serviços. Por isso é um equívoco dos médicos decidirem unilateralmente sair do Conselho Nacional.

A presidenta do CNS ainda não foi oficialmente informada sobre a decisão das entidades. "Entendemos que a regulação da formação e redistribuição dos profissionais médicos nas áreas mais necessitadas, é um dever do Estado, não é um questão eleitoreira". E conclui dizendo que a expectativa do CNS é que o governo continue avançando, para encontrar caminhos para a melhoria da saúde pública brasileira, inclusive garantindo 10% da receita corrente bruta da União para a Saúde Pública, priorizando carreira para os profissionais de saúde, em especial da atenção básica.
Fonte : Imprensa FENAM



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1511 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)