Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

RN: cardiologistas do Walgredo Gurgel pedem exoneração dos cargos



08/07/2013
Cinco cardiologistas, alegando falta de condições de trabalho, pediram ontem a exoneração de suas funções na UTI do Hospital Walfredo Gurgel (HWG), a única na rede pública do Rio Grande do Norte. O secretário estadual de Saúde, Luiz Roberto Fonseca, convocou, para hoje, uma reunião com os médicos demissionários e tentará demovê-los da ideia. A reunião inicia às 8h na sede da Sesap. O pedido para sair da UTI acontece um dia depois da passeata nacional contra a vinda de médicos cubanos para atendimento no Brasil.

Os médicos que assinam o documento são George Cobe Fonseca (coordenador da UTI cardiológica), Cristiane Guedes Pita, Luciano Pilla Pinto, Rodrigo Lopes de Sousa e Stefferson Luiz Melo Duarte.

De acordo com a carta de exoneração, a causa do pedido é a "insatisfação e desgaste coletivo que a equipe enfrenta no decorrer dos anos". Os profissionais dizem ter feito denúncias desde 2010, além de pleitearem soluções, porém, como resposta, receberam apenas "decisões imediatistas e ineficazes".

Entre os problemas enfrentados, os médicos citam a falta de abastecimento. "Faltar antibióticos pode ser considerado gravíssimo, pois a quantidade que tínhamos dava apenas para metade do tratamento. Em se tratando de antibióticos é uma situação séria, porque, em um tratamento incompleto, a bactéria termina se fortalecendo", explicou a cardiologista Cristiane Pita.

Também é comum os médicos intensivistas saírem da UTI para fazerem atendimentos no pronto-socorro, em outro prédio do hospital, o que é completamente inadequado para esse tipo de profissional.

"Os cardiologistas passaram em concurso público há quatro anos e não têm mais ânimo para continuar. Colocaram todos os problemas em livro de ocorrência, mas nada foi providenciado", diz.

O secretário estadual de Saúde, Luiz Roberto Fonseca, reconhece as dificuldades apontadas pelos profissionais, mas disse que tentará mantê-los em suas funções. No início da noite de ontem, ele disse que o pedido de exoneração ainda não tinha chegado ao seu gabinete.

"Conheço quase todos esses profissionais pessoalmente e sei o quanto eles são bons. Mas eu acredito que poderemos sanar os problemas apresentados", disse Fonseca.

Ele admite que existe uma "utilização errônea" dos profissionais da UTI e diz ser "inadmissível" estes fazerem pareceres no pronto-socorro. "Eles devem ficar exclusivamente na UTI", afirmou o secretário.

O titular da pasta da Saúde diz que vai tentar encontrar soluções para o déficit de pessoal. A UTI cardiológica precisa de sete profissionais médicos.

Sobre o problema do abastecimento, o secretário diz que vai dar mais autonomia ao hospital para fazer as compras, coisa que é feita hoje pela própria Sesap. "As compras deverão ficar mais ágeis", aposta ele. "Em 60 dias, não teremos o problema do desabastecimento", sentencia.

Caso a conversa não faça os cardiologistas voltarem atrás, o secretário irá considerar a hipótese de contratar cooperativas médias, fazer convocações públicas e abrir um novo concurso.
Fonte : Novo Jornal



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1328 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)