Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

RN: presidente do Sinmed fala sobre as lutas e o futuro da entidade



04/06/2013
Editorial publicado na Coluna Sinmed em Ação, dia 01/06/2013, no Novo Jornal.

Tivemos no dia 31 eleições no Sindicato Médico e nossa chapa foi reeleita para administrar o período 2013 a 2016. Quase todos os companheiros continuam comigo, ninguém desertou das lutas. Fiz algumas reflexões sobre o que eu teria a contribuir com o movimento médico em um novo mandato.

Dois projetos em andamento foram decisivos na motivação para presidir mais uma vez o Sinmed - Primeiro a bandeira absoluta do piso Fenam, que está sendo negociado em etapas, para implantação pelo governo do Rio Grande do Norte até 2016. Cada vez mais entendo que sem uma carreira e um piso salarial adequado para os Médicos e, claro, também para os outros profissionais da saúde, não conseguiremos um funcionamento adequado do sistema. Nossa proposta já está com a comissão do governo, que envolve as secretarias da saúde e da administração, e é uma oportunidade para o governo se reencaminhar dos desastres sucessivos das negociações com os médicos.

O outro grande projeto, que já decola, com agência em pleno funcionamento, é o da Cooperativa de Crédito, que beneficiará economicamente toda categoria da saúde, e que é uma iniciativa do Sinmed em parceria com mais quatro sindicatos, para todos seus associados. Inseridos no contexto nacional enfrentaremos as dificuldades postas pelo governo na forma de privatização da saúde, com instrumentos como organizações sociais e empresas como a Ebserh, que tentam destruir a carreira pública e balançar o modelo de sistema público de saúde, como colocado pela constituição brasileira.

Outra grande questão nacional diz respeito à importação de médicos, como tentativa de baixar salários médios dos médicos pela oferta em profusão de profissionais cubanos, ou portugueses, ou espanhóis, ou seja lá o que aparecer, que sequer passariam pelo Revalida, aferição da capacidade desses médicos de bem servir à sociedade. Parece ter sido um tiro no pé do ministro Padilha, que pela rejeição à proposta, manifestada em passeatas em todo Brasil, no dia 25 de maio, com presença maciça de estudantes, sepulta seu projeto de disputar o governo Paulista.

A presença cada vez mais forte do movimento sindical tem levado, no Rio Grande do Norte, a convocações de audiências públicas pela câmara de vereadores e Assembleia Legislativa sobre quase todas as questões da saúde. Tivemos essa semana audiências sobre mortalidade materna e sobre carreira médica. Na próxima semana teremos sobre Dengue em Natal e o possível fechamento da pediatria do Santa Catarina.

Temos informações que o fundo do poço da saúde no governo Rosalba Ciarlini ainda é mais embaixo. Fala-se agora no fechamento de oito hospitais regionais, que reduziria a rede de 23 hospitais para 15. Pois é, sem dinheiro para reformar e equipar as unidades e completar as escalas de recursos humanos o secretário faz acrobacias para justificar o injustificável e deixa um legado do qual será cobrado no futuro, portas fechadas para o atendimento aos necessitados.

Estamos trabalhando a convenção coletiva com o setor privado, os médicos já foram convocados e a assembleia será em breve. Teremos audiência essa semana com a secretaria de saúde de Natal sobre segurança, direitos e salários dos médicos.

O Sindicato é hoje uma grande entidade com infinitas responsabilidades e serviços para os associados. Seremos cada vez maiores e nossa voz terá mais peso se todos se interessarem e participarem de nossas lutas. Agradeço todo apoio que tenho recebido na minha missão de liderar os médicos do estado em suas lutas e convoco a todos para os grandes desafios que temos a enfrentar nesses anos vindouros. A nossa união e organização nos trará as vitórias que esperamos. Dizia Raul Follereau - A vitória foi sempre de quem nunca duvidou dela.

Chegamos ao novo mandato, com a sensação de que temos cumprido nossos compromissos com a categoria e que sua confiança nos encoraja a continuar a caminhada, sinto que não nos desencaminhamos na longa marcha, não fraquejamos nem esmorecemos, mesmos nas horas mais difíceis, como a greve de 10 meses que sustentamos entre 2012 e 2013. Não caímos no caminho, não nos desmoralizamos, não recuamos, mesmo frente às pressões mais avassaladoras. A nossa luta em defesa do médico tem sido feita com amor, aplicação e sem medo. Assim continuará a ser.

Geraldo Ferreira
Presidente do Sinmed RN
Fonte : Sinmed RN



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 774 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)