Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

AL: Senador ouve reivindicações de médicos e diz que 'saúde do estado está na UTI'


Foto: Charlene Araújo
AL: Senador ouve reivindicações de médicos e diz que 'saúde do estado está na UTI'
Senador participou de assembleia no Sindicato dos Médicos, onde recebeu relatório sobre a situação da saúde no estado.


06/03/2013
O senador Fernando Collor de Mello (PTB) participou, na noite da última segunda-feira (4), de uma assembleia realizada no Sindicato dos Médicos de Alagoas (Sinmed), onde foi convidado pela categoria para conhecer e ouvir os relatos dos profissionais a respeito da situação da saúde em Alagoas, principalmente no que diz respeito ao Hospital Geral do Estado (HGE). Na ocasião, Collor afirmou que a saúde em Alagoas está na UTI.

Os médicos decidiram, em votação realizada durante a assembleia, permanecer em greve por tempo indeterminado.

Eles fizeram o convite ao representante de Alagoas no Senado após terem ouvido, na quarta-feira passada, um pronunciamento do senador, fazendo críticas à situação da saúde no estado. "Foi um pronunciamento importante, pois mostrou a situação que o governo não mostra. Para quem está de fora, o governador quer mostrar que isso aqui é um paraíso. Mas, basta conhecer a realidade do HGE para saber que nada disso é verdade", afirmou Wellington Galvão, presidente do Sinmed.

Galvão mencionou ainda que, nos últimos seis anos, cerca de 1.200 médicos pediram demissão e que outros estão dispostos a tomar a mesma decisão, caso não haja melhores condições dadas à categoria, que se encontra em greve há mais de 80 dias.

Diante de toda a exposição que foi feita durante a assembleia, o senador se mostrou visivelmente indignado, chegando a afirmar que a "a saúde em Alagoas está na UTI, sem respirador artificial".

Durante o encontro, Fernando Collor fez um breve histórico de sua vida na política, relembrando a época em que foi prefeito, governador e presidente da República, onde sua prioridade de governo tinha como foco a saúde e a educação. "O momento por qual passa Alagoas é de uma gravidade extrema. É o que chamamos de falência absoluta do Estado enquanto entidade federativa, que não consegue botar o aparelho estatal para funcionar e dar à população mínimas condições de saúde, educação e segurança pública, que são aspectos básicos de nosso dia a dia", afirmou.

Ouvido com atenção pelos médicos que compareceram à assembleia, o senador disse que chegou o momento de discutir a calamidade pública que se estabeleceu no estado. "Estamos falando de pessoas que perdem seus entes queridos, seus amigos. São médicos que trabalham sob pressão, um HGE onde entramos e nos deparamos com um verdadeiro corredor da morte", disse Collor, que atribuiu a responsabilidade dessa situação ao governador Té Vilela. "O que mais me espanta é a covardia dele. É um sujeito fraco, que não é dado à luta e que teve muita sorte na vida. Em todas as campanhas que ele caminhou, precisou estar no vácuo de outros. E como tudo foi muito fácil, ele tem medo de enfrentar uma realidade que não faz parte de seu dia a dia", emendou.

Consternado com a situação apresentada pelos médicos, Fernando Collor não poupou críticas ao governador. "Ele deixa essa calamidade acontecer porque o tempo para ele não é tão urgente quanto matar a sede de uma população que está morrendo de sede e fome", mencionou.

O senador lançou, na ocasião, um desafio ao Teotonio Vilela Filho, a quem classificou de covarde, que ele fosse pessoalmente visitar o HGE para constatar, in loco , a situação dos pacientes daquela unidade de saúde. "Faço isso para que ele se sensibilize com o sofrimento daquelas pessoas que ali estão. Para que ele veja com os próprios olhos uma Ala Vermelha onde há 60 pessoas amontoadas, num verdadeiro depósito de seres humanos à espera da hora de morrer".

De posse do relatório entregue pelos médicos, Fernando Collor disse que levará, em mãos, o documento para o Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, para que ele possa discutir a situação da saúde em Alagoas. "E podem ter certeza de que sairei de lá sabendo que algo será feito. Não podemos deixar nossos médicos nessa situação", afirmou o senador, criticando a falta de condições de trabalho dos profissionais.

Ainda sobre a entrega do documento em Brasília, Collor disse que, se for necessário, trará o próprio ministro a Alagoas "para que ele veja o desdém com o qual é tratado o nosso sistema de saúde".

Collor falou que é necessário que a sociedade em geral se junte para lutar contra essa apatia que ganhou o estado. "Não quero acreditar que a população alagoana perdeu sua capacidade de indignação e espero que ela vá às ruas para dizer: 'Seu incompetente, saia daí!'".

O senador ainda emendou. "Se a sociedade teve a coragem de tirar um presidente da república, ela também pode se indignar e retirar um inoperante do governo do estado", disse ele, no momento em que voltou a se emocionar. "Podem contar com minha participação nesta luta", assegurou.

Presente à assembleia, o deputado estadual pelo PT, Judson Cabral, afirmou que a estratégia adotada pelo governo é vencer a categoria 'pelo cansaço, sem tomar atitudes, buscando fatos novos'. "Foi justamente o que ele fez indo para o Sertão. Ele fez isso para ficar em evidência e mascarar a verdadeira situação da saúde e educação".

O parlamentar disse, também, que os médicos não podem deixar o movimento arrefecer e que devem buscar a sensibilização dos médicos que ainda não pararam, como também da população. "Essa situação chegou ao extremo e este não é um movimento apenas em defesa de salários. Temos que lutar para dar o suporte necessário de que Alagoas precisa", complementou Cabral.

Ainda durante o encontro, o senador Fernando Collor ouviu o relato de alguns médicos sobre o dia a dia em unidades de saúde como HGE, Maternidade Escola Santa Mônica, Hospital Hélvio Auto, dentre outras. "O povo está morrendo e ninguém toma satisfação. Se fosse em estado sério, estaríamos todos presos", afirmou o médico Antônio José Guedes Gerbase.

Ao término da reunião, Collor disse que o relatório por ele recebido terá consequências. "Podem ter certeza de que o barulho começará a ser feito. Os tambores irão rufar dando sinal de guerra. Acorda, governador covarde! Venha se juntar a nós para esta luta. Temos à frente de nosso estado um governador indolente, incompetente, inapetente e covarde. Ele precisa entender que os problemas não são resolvidos enquanto o diálogo não for aberto. Não dialoga quem não tem argumento e falta a ele massa encefálica para tratar do assunto", finalizou.
Fonte : GazetaWeb.com



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 631 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)