Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

RN: médicos protestam e cobram negociação por parte do Governo


Foto: Sinmed/RN
RN: médicos protestam e cobram negociação por parte do Governo
A categoria completará sete meses de greve em defesa da melhoria das condições de trabalho e do atendimento e dos serviços de saúde à população


19/11/2012
Com o apoio dos estudantes universitários da UFRN, UnP e UERN e sindicatos de servidores públicos do Estado e do município de Natal, o Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte (Sinmed-RN) organizou o primeiro ato público "Fora Rosalba", que saiu da sede da Associação Médica do RN e foi até a frente do Hospital Walfredo Gurgel, na última quinta-feira (15).

O presidente do Sinmed e da FENAM, Geraldo Ferreira, disse que a categoria completará, no próximo 27 de novembro, sete meses de greve em defesa da melhoria das condições de trabalho e do atendimento e dos serviços de saúde à população, sem que o governo abra um canal de negociação. "A partir de agora, a categoria não abre mão da implantação do piso salarial nacional, que é de R$ 19 mil e está sendo implantado em alguns estados para ser fechado em dois ou três, mas, no caso do Rio Grande do Norte o governo Rosalba Ciarlini não acena com a possibilidade de nenhum tipo de apoio".

Ainda segundo Ferreira, no Estado o piso salarial em início de carreira de um médico é de R$ 2.200 para uma jornada de trabalho de 20 horas semanais, "quando outros estados já pagam o dobro disso".

A manifestação "Fora Rosalba" é um protesto "pela falta de resposta que o governo não está dando à sociedade" tanto na área de saúde, como também nas áreas de educação e segurança, que são essenciais à população.

Quanto ao trabalho, Ferreira contou que a categoria não suporta mais conviver em mínimas condições, como trabalhar no plantão em hospitais que o alojamento tem de ser dividido entre mulheres e homens, cama quebrada e falta de lençóis. "Quase todos os médicos têm escabiose e coceiras porque trabalham em condições insalubres, coisa que a Justiça do Trabalho não admite mais".

Pontualmente, ele ressaltou que a categoria não aceita mais sequer uma negociação de um reajuste salarial de 10%, como também reivindica a implantação do ponto eletrônico nos locais do trabalho, além da reforma dos hospitais, "que hoje estão um caos", com os profissionais trabalhando com a falta de insumos e equipamentos básicos, como tensiômetro e estetoscópio, fora medicamentos da farmácia básica.


Acompanhe as fotos da manifestação
Fonte : SINMED RN



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 969 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)