Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar
Vídeos relacionados




Palavras-chave

MA: sindicato e conselho se reúnem com médicos federais



26/10/2012
Sindicato dos Médicos e Conselho de Medicina do Maranhão promoveram nesta quinta-feira (25) reunião para discutir as emendas que serão apresentadas ao Deputado Sebastião Bala (PDT/PA), relator do Projeto de Lei 4369/2012, na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço da Câmara dos Deputados, com o objetivo de garantir a recuperação das perdas que os médicos federais tiveram com a aprovação da lei de conversão da Medida Provisória 568 (Lei 12.702/2012). Essa medida tenta retirar o prejuízo aos médicos ocasionado pela aprovação do PL de conversão da MP 568.

Desde 12 de setembro o projeto está na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público (CTASP), sob a relatoria do deputado Sebastião Bala Rocha (PDT-AP), que, em 19 de setembro, recebeu representantes das entidades médicas para debater o tema.

O secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça, garantiu que os médicos federais terão o reajuste de 15,8% oferecido pelo governo, dividido em três anos, a partir de 2013. "Os médicos estão incluídos e terão o mesmo valor de reajuste que as outras categorias. R$ 1.000 para 40 horas semanais e proporcionalmente para 20 horas", afirmou Mendonça, durante encontro com representantes das entidades nacionais, em Brasília.

A pedido das entidades, o secretário do Ministério do Planejamento propôs a articulação de uma agenda com o Governo para atender às reivindicações da categoria médica. Enquanto isso segue em tramitação na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 4369/2012, que reajusta a remuneração dos servidores públicos federais.


HISTÓRICO – Nos últimos anos, a categoria mostrou força com grandes mobilizações em todo o país. Unidos, os médicos buscam melhorias nas condições de trabalho, As entidades que integram a Comissão Nacional Pró-SUS seguirão engajadas em ações que visem compensar as perdas que somente os médicos tiveram. Somente uma nova mobilização nacional poderá fazer o governo compreender a justiça da reivindicação dos médicos federais.

Em junho, uma histórica mobilização dos médicos, seguida de uma série de protestos em todo o país, fez o governo recuar no texto original da MP 568, que reduzia em 50% os salários da categoria. Contudo, ao regulamentar a MP o governo excluiu os médicos das diversas carreiras, como a PST (Previdência, Saúde e Trabalho), quanto às gratificações e criou tabelas específicas para os médicos.

As entidades que integram a Comissão Nacional Pró-SUS seguirão engajadas em ações que visem compensar as perdas que somente os médicos tiveram. Somente uma nova mobilização nacional poderá fazer o governo compreender a justiça da reivindicação dos médicos federais.

Fonte : SindMed-MA



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1104 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)