Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar




Palavras-chave

Fórum debate desafios para melhorar o atendimento de emergência na saúde pública



24/08/2012
Para debater desafios e apontar soluções para o atendimento emergencial no sistema público de saúde, representantes dos conselhos de Medicina de sete estados se reúnem nos dias (23 e 24) no Fórum Sul-Sudeste sobre Urgência e Emergência, promovido pelo Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj).

Segundo o vice-presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Aloísio Tibiriçá, o atendimento de emergência é um dos principais problemas do sistema de saúde do Brasil. "Quando o paciente mais necessita de atendimento, encontra muitas dificuldades. São problemas estruturais que existem nos hospitais: falta de médicos, desde clínicos gerais, pediatras, até especialistas nas equipes".

Tibiriçá disse ainda que o número de médicos por paciente atualmente é aleatório. Ele defende um número determinado de médicos, dependendo do setor e da gravidade dos pacientes. Segundo o vice-presidente do CFM, o fórum também vai discutir a questão das vagas nas emergências.

"Estamos discutindo esse conceito, chamado de vaga zero na emergência, que gera muitos conflitos na porta dos hospitais. Emergência tem vaga? Se é emergência você tem que atender de qualquer maneira, porque o doente está muitas vezes em situação de risco, é uma coisa vital", disse.

De acordo com Tibiriçá, o Brasil tem hoje a metade do número de leitos por mil habitantes do que tem a Espanha, por exemplo, com impactado muito no atendimento. "Nós vemos uma carência de profissionais nas unidades. Sabemos que é pela sobrecarga de trabalho, pela desorganização do setor, pela superlotação e pelo baixo salário. Você não tem médico para atender as pessoas, hoje, nas emergências em larga escala".

Uma outra dificuldade apontada pelo especialista é a falta de articulação entre os hospitais. Segundo ele, uma unidade não se comunica adequadamente com as outras. "Hoje, muitas vezes, o que acontece é que todos os pacientes ficam juntos, amontoados na mesma sala, no mesmo local. Se eu preciso transferir, por exemplo, um paciente de uma UPA [Unidade de Pronto-Atendimento] para um hospital. Então eu preciso ter essa rede azeitada, funcionando adequadamente. Isto ainda é um desafio", disse Tibiriçá.
Fonte : Agência Brasil



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 924 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)