Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Entrevista do governador gera descontentamento na classe médica catarinense


Foto:
Entrevista do governador gera descontentamento na classe médica catarinense



14/06/2012
Sindicato afirma que solicitará audiência ao governador e que está com a agenda aberta para realizar visita conjunta ao hospital infantil Joana de Gusmão

Repercutiu de maneira negativa entre os médicos catarinenses a entrevista concedida pelo governador Raimundo Colombo ao grupo RIC/Record esta semana. Entre as declarações, o chefe do executivo estadual afirma que não irá suprir a carência de médicos na rede pública de saúde por meio de concurso público.

O presidente do Sindicato dos Médicos do Estado de Santa Catarina (SIMESC), Cyro Soncini lamentou as declarações do governador e informou que irá solicitar audiência com Colombo para apresentar a ele os dados sobre os problemas causados pela falta de médicos na rede pública estadual.

“Essa entrevista do governador comprova que ele está mal assessorado e mal informado. Há menos de um mês o Sindicato dos Médicos divulgou em nível estadual um apelo ao governador em que cobra a contratação de recursos humanos para a saúde. Na semana passada realizamos em conjunto com outras entidades o abraço à saúde no hospital infantil Joana de Gusmão em que também alertamos sobre a falta de profissionais na saúde. Não é possível que o governador não tenha tido acesso às informações que foram veiculadas em todos os jornais, TVs, rádios e sites não só da Grande Florianópolis como em todo o Estado”, diz Cyro.

Sobre as declarações do governador, Cyro afirma que considera positiva a busca do governador por uma audiência com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, para discutir sobre os repasses do SUS. “Há muito tempo dizemos que o governo e as prefeituras investem até mais do que podem na saúde e que o governo federal não cumpre com sua parte. É bom que o governador pelo menos nesse ponto, esteja indo atrás de recursos para resolver essa situação de uma vez por todas”, diz.

Quanto à afirmação do governador Colombo de haver médicos suficientes na rede pública estadual, Cyro é enfático. “Convido o governador a passar algumas horas conosco na emergência do hospital infantil Joana de Gusmão. Chegar de surpresa para evitar maquiagens. Tenho certeza que ele ficará assustado com o empenho dos servidores daquele setor, que é um reflexo do empenho dos servidores da saúde de Santa Catarina. Porém empenho não quer dizer condições dignas de trabalho. Como pode uma família esperar três, quatro horas para o atendimento de seu filho? Como podem médicos, auxiliares de enfermagem, enfermeiros se desdobrarem para dar conta do trabalho? Não, governador, a situação não é essa que contaram para o senhor!”.

Ainda sobre os médicos, Cyro rebate a afirmação de que a maioria não cumpre o expediente. Desde 2004 o registro da frequência dos servidores públicos é realizado por meio eletrônico ou digital, com controle direto por parte do gestor. O Sindicato e os médicos nunca se posicionaram contrários ao cumprimento de horário estabelecido de trabalho. Cobramos sim, a remuneração adequada e boas condições de trabalho”, acrescenta o presidente do SIMESC.

Organizações sociais

A respeito da não contratação dos médicos recém aprovados em concurso público, Cyro Soncini conta que ficou surpreso com a declaração de que estes não serão chamados. “E os médicos que fizeram a prova, que pagaram inscrição? Vai ficar por isso mesmo? E as filas nos setores de ambulatório e emergências não vão diminuir?”, indaga.

Sobre as organizações sociais, caminho que o governo deve adotar para tentar resolver os problemas da saúde em Santa Catarina, Cyro diz que o Sindicato é contrário. “O ideal é a gestão pública com concurso público. Este não é o caminho. Um exemplo é que as organizações sociais contratam a cozinheira, o auxiliar de enfermagem, o motorista da ambulância, mas em sua ampla maioria, não assinam carteira de médico. E nós do Sindicato não iremos aceitar a precarização dos contratos de trabalho. Médico é um trabalhador e como prevê a lei, assim deve ser tratado”, conclui.
Fonte : SIMESC



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 743 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)