Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Governo estuda criar a Lei Rouanet da Saúde



22/03/2012
Em debate na Câmara, secretário de Atenção Básica à Saúde diz que regulamentação da Emenda 29 não resolveu problemas de financiamento do setor.

O secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Helvécio Magalhães, afirmou na última quarta-feira (21), na Câmara, que faltam entre R$ 30 bilhões e R$ 40 bilhões para o financiamento da área. De acordo com ele, a regulamentação da Emenda 29 não conseguiu solucionar a questão e o governo estuda agora criar uma lei de incentivos para investimentos na saúde.

No debate, realizado pela Comissão de Seguridade Social e Família para discutir assuntos relacionados à pasta, o secretário disse que a ideia é criar um mecanismo para desconto no Imposto de Renda dos investimentos realizados na área. Magalhães citou como exemplo a Lei Rouanet, que faz o mesmo com os investimentos de pessoas físicas e empresas na área cultural.

Coordenador da Frente Parlamentar da Saúde, o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), reclamou do "silêncio obsequioso" do Planalto quando se trata dos recursos para a área. Na opinião do deputado Marcus Pestana (PSDB-MG), um projeto para ampliar o financiamento da saúde só poderá ser aprovado no Congresso se vier por iniciativa popular.

Mortalidade materna
Magalhães também afirmou que o Brasil não conseguirá cumprir a meta do milênio proposta pela Organização das Nações Unidas (ONU) de redução da mortalidade materna em 75% até 2015. "Dos objetivos do milênio, o 5º será o único que o Brasil não alcançará", disse.

Os últimos dados do Ministério da Saúde indicam uma redução de 19% das mortes maternas por causas obstétricas entre o primeiro semestre de 2010 (870 mortes) e o primeiro semestre de 2011 (705 óbitos). Segundo Magalhães, os principais problemas são a desassistência às gestantes por obstetras e no acompanhamento neonatal.

Os objetivos do milênio propostos pela ONU incluem oito temas, incluindo saúde materna: fome e miséria; educação básica; igualdade entre sexos; mortalidade infantil; combate à aids, malária e outras doenças; qualidade de vida e meio ambiente; e desenvolvimento comercial.

Saúde da Família
O secretário disse que o Ministério da Saúde avaliará 18 mil equipes do Programa Saúde da Família (PSF) entre abril e junho. As equipes com melhor avaliação poderão receber o dobro dos recursos repassados pela União.

"Vamos ter uma radiografia que vai nos mostrar o grau de fragilidade do programa", disse, em resposta ao deputado Vitor Penido (DEM-MG), que criticou a pequena carga horária desses profissionais e os altos salários na comparação com outros médicos.

O debate foi realizado a pedido do presidente da comissão, deputado Mandetta (DEM-MS).
Fonte : Agência Câmara



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 580 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)