Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar
Vídeos relacionados




Palavras-chave

SC: médicos participam de mobilização e assembleia nesta quinta-feira em Florianópolis



23/02/2012
Consultas não serão realizadas e população que precisar de atendimento deve procurar as UPAs ou emergências dos hospitais. Atendimento volta ao normal a partir de sexta-feira.

Os médicos do sistema municipal de saúde participam nesta quinta-feira (23) de mobilização em frente à sede da prefeitura de Florianópolis a partir das 14h30 para apoiar os representantes sindicais que têm reunião na secretaria de Governo para tentar mais uma vez a suspensão do desconto ilegal na gratificação do Programa de Saúde da Família (PSF) e para terem reafirmado o aumento em 15% retroativa a janeiro de 2012. Após a mobilização os médicos participam de assembleia no hotel Floph, a partir das 17h. Durante a tarde estarão suspensos os atendimentos nos mais de 50 postos de saúde da capital catarinense.

"Os postos de saúde não realizam atendimento de urgência e emergência, mas mesmo assim, quem precisar de atendimento terá as UPAs norte e sul e também as emergências dos hospitais para buscar atendimento", alerta o secretário Geral do Sindicato dos Médicos (SIMESC), César Ferraresi.

De acordo com Ferraresi, a suspensão do desconto ilegal é um dos motivos da evasão dos médicos do sistema municipal de saúde. "O desconto ilegal que está sendo realizado na gratificação do PSF gera um problema sério para a população que fica desistida. Quanto temos ouvido nos últimos tempos de demora de atendimento, de falta de especialistas? Os médicos não ficam e os que ficam acabam sobrecarregados e em pouco tempo também desistem. Se conseguirmos suspender esse desconto e o garantirmos o aumento de 15% na gratificação, tornaremos a atividade na prefeitura de Florianópolis mais atrativa para o médico e mais confortável para o paciente", acrescenta César.

De acordo com o secretário Geral do SIMESC a situação dificulta a criação do vínculo médico-paciente. "O paciente que inicia um tratamento num determinado posto de saúde não sabe se na próxima consulta poderá dar continuidade a seu tratamento com o mesmo médico. Nos últimos meses pelo menos 100 médicos romperam o contrato com a prefeitura. Nesse período, cinco processos seletivos foram realizados. Precisamos de uma ação imediata da prefeitura para garantirmos a qualidade de atendimento à população", reforça.

Conforme o assessor jurídico do SIMESC, Ângelo Strzalkowski Kniss, a prefeitura reconheceu a ilegalidade da situação. "O médico da prefeitura hoje recebe a gratificação do PSF menos o salário, menos a insalubridade e menos os valores por tempo de serviço. O que era para ser somado é descontado! Sendo assim, o médico que tem hoje 20 anos de casa acaba recebendo menos do que um que acabou de ser efetivado. Só que com o passar do tempo, ao invés desse médico que recém entrou ganhar mais, ele vai ver seu salário sendo reduzido sem justificativa", conclui o advogado.

Além dos diretores e assessors do SIMESC, participam da reunião com o secretário de Governo Gean Loureiro, o secretário de Saúde, João José Cândido da Silva e o secretário de Administração Sandro Ricardo Fernandes, os representantes do corpo clínico da prefeitura
Fonte : SIMESC



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 659 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)