Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Para senador, proposta de gestão privatiza hospitais universitários



17/11/2011
O senador Jayme Campos (DEM-MT), em discurso nesta quarta-feira (16), criticou projeto de lei da Câmara (PLC 79/2011) que cria a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, para a gestão de hospitais universitários. Para o senador, a proposição, de autoria do Poder Executivo, é flagrantemente inconstitucional porque viola os princípios de autonomia das universidades e do concurso público e abre caminho para que os hospitais ligados às universidades sejam privatizados.

- Mantenho a convicção de que, ao interferir na área administrativa das universidades e na gestão das unidades e das atividades médico-hospitalares - afetando os serviços prestados por todo o corpo docente e discente das universidades federais -, o projeto agride frontalmente o art. 207 da Constituição - disse o senador.

O referido artigo da Constituição diz: "As universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão".

O parlamentar lembrou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tentou criar a empresa por meio de medida provisória editada em seu último dia de mandato, rejeitada no Senado há poucos meses. Desde a primeira tentativa, o Executivo procura justificar a iniciativa com o argumento de que precisa sanar as irregularidades apontadas pelo Tribunal de Contas da União quanto às terceirizações praticadas pela administração pública, disse o senador.

- Mas não podemos consertar uma ilegalidade cometendo outra - disse.

A medida abre caminho para que os hospitais universitários venham a ser, de fato, privatizados, afirmou Jayme Campos, que instou os senadores a não aprovarem o texto apenas porque o Executivo assim o quer, caso contrário, continuarão a oferecer "consistentes demonstrações de que o Parlamento brasileiro não serve para nada".

- Ou então, quando muito, serve ao jogo do faz-de-conta. Serve de palco, ou picadeiro, para um permanente simulacro de debates, acerca das decisões já tomadas e sobre as quais não exerce o menor poder - completou.

O parlamentar também discutiu com a senadora Marta Suplicy (PT-SP), que presidia a sessão, por considerá-la injusta na distribuição do tempo dos discursos, havendo sempre "dois pesos e duas medidas" na concessão dos minutos para os pronunciamentos em Plenário.
Fonte : Agência Senado



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 758 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)