Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

MG: concentração na porta do HPS e reivindicação do pagamento do reajuste salarial



10/11/2011
Os profissionais da saúde de Minas Gerais paralisaram sua atividades nesta quarta-feira (9). Eles estiveram reunidos na porta do Hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS) para uma manifestação. Duas faixas da Avenida Alfredo Balena foram interditadas no sentido Bairro-Centro. O objetivo da greve, organizada pelo Sindicato Único dos Trabalhadores da Saúde de Minas Gerais (Sind-Saúde/MG), é reivindicar o pagamento do reajuste do salário e o prêmio de produtividade acordado em abril deste ano com o Governo do Estado.

A greve da saúde, que aconteceu em setembro, de acordo com o Sindicato, conseguiu acordar um reajuste de 10%, divididos em duas parcelas de 5%, uma em outubro de 2011 e outra em abril de 2012. Entretanto, o sindicato afirma que o pagamento não ocorreu e, por isso, foi acertada mais uma paralisação de 48 horas, a contar desta quarta-feira. "A paralisação acontece em represália ao não cumprimento do acordo feito com os trabalhadores que garantia o reajuste de 5% em outubro, fato que não ocorreu, já que estamos em novembro", afirmou Reginaldo Tomás de Jesus Silva, diretor do Sind-Saúde/MG.

Além disso, o Sindicato afirma que o Governo juntou em um mesmo projeto de lei o ganho de greve com uma proposta de política remuneratória de longo prazo. Esse projeto foi encaminhado para a Assembleia Legislativa, também em setembro, e agora aguarda votação. Mas o objetivo dos profissionais da saúde era de que os dois projetos fossem encaminhados separadamente. Eles afirmam que, se aprovados juntos, legalizariam um "arrocho salarial".

Um ato unificado entre os trabalhadores da saúde, da educação e da Polícia Civil está agendado para quinta-feira (10) , às 15 horas, no pátio da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Os profissionais da saúde vão sair em passeata do HPS para a ALMG por volta das 14 horas.


A Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) ainda não tem um balanço sobre o número de profissionais paralisados e os prejuízos no atendimento. O Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed/MG) informou, por meio de sua assessoria de comunicação, que apoia o movimento, pois acredita que as reivindicações são pertinentes. No entanto, não é possível fazer um levantamento sobre quantos médicos participaram da greve. Os médicos que trabalham em urgência e emergência não pararam suas atividades, como previsto por lei.
Fonte : Portal Hoje em Dia



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 948 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)