Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Entidades médicas do Brasil e Uruguai firmam acordo para atuação na fronteira


Foto: divulgação/Simers
Entidades médicas do Brasil e Uruguai firmam acordo para atuação na fronteira
Maria Rita ressalta que a iniciativa preserva o respeito mútuo ao desempenho da atividade dentro da regulamentação de cada país


28/09/2011
Um convênio firmado entre entidades médicas do Brasil e Uruguai selou a garantia de respeito às normas vigentes em cada país para o exercício profissional na área. A Federação Nacional dos Médicos (FENAM) e o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) participam da iniciativa. A medida busca impedir que municípios brasileiros na fronteira contratem médicos formados no Uruguai, mas sem revalidação do diploma e registro no Brasil. Pelo acordo, a assistência a pacientes só pode ser feita por profissionais registrados no País.

"Esse compromisso não assegura apenas o exercício da medicina dentro da legalidade, mas a atenção e os cuidados adequados aos nossos pacientes", ressaltou a vice-presidente do Sindicato Médico gaúcho e diretora da FENAM, Maria Rita de Assis Brasil, que assinou o documento pelas duas entidades.

"O SIMERS luta para que somente médicos habilitados atuem, buscando até a Justiça para coibir práticas que burlem a lei, o que gera uma discriminação com os profissionais legalmente registrados no Estado", lembrou a dirigente. A contratação no lado uruguaio virou saída fácil, já que as prefeituras se recusam a valorizar os especialistas do Rio Grande do Sul, segundo ela.

O documento foi formalizado no dia 19 e é subscrito também pelos presidentes do Conselho Federal de Medicina (CFM), Roberto DÁvila, do Conselho Regional de Medicina do Estado (Cremers), Fernando Weber Matos, e do Sindicato Médico uruguaio, Martin Rebella.

Maria Rita ressalta que a iniciativa preserva "o respeito mútuo ao desempenho da atividade dentro da regulamentação de cada país". "Não é uma solução definitiva, mas o compromisso abrirá caminho à regularização do intercâmbio, mas sempre respeitando as leis de cada país", destacou Maria Rita.

A dirigente informa que o documento será levado à Confederação Médica Latinoamericana e do Caribe (Confemel), que reúne as representações médicas de toda a região, para ser adotado como parâmetro no bloco. A vice-presidente do sindicato e diretora da FENAM lembra que o impasse na fronteira também é agravado pela indefinição de um acordo no Mercosul que regule a atuação dos profissionais da saúde. O Grupo de Trabalho 11 (GT11), que analisa a legislação na área, até hoje não chegou a um acordo entre os países.

Pelo documento firmado entre as entidades brasileiras e uruguaias, devem ser respeitados os critérios legais e jurídicos de cada nação. Os médicos formados terão de se ajustar às normas, habilitações e registros exigidos no país onde pretende atuar. As signatárias se comprometem a encontrar soluções para fazer valer "o princípio irrenunciável da profissão médica, que é de assegurar a correta e emlhor atenção à saúde da população".


Fonte : Imprensa/Simers



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1300 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)