Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Sindmepa divulga nota sobre mortes de bebês na Santa Casa


Foto: Sindimepa
Sindmepa divulga nota sobre mortes de bebês na Santa Casa



24/08/2011
O Sindicato dos Médicos do Pará (Sindmepa) não vai aceitar que a categoria seja utilizada como bode expiatório dos graves problemas que atingem o sistema público de saúde. Médico não é bandido e polícia tem como função prender bandido, não gente que tenta realizar a sua tarefa da melhor maneira possível, apesar da precariedade das condições de trabalho.

Sobre o episódio ocorrido na manhã desta terça-feira, 23, na Santa Casa de Misericórdia do Pará, quando médicos receberam voz de prisão de um bombeiro militar, ao tentar explicar que não havia leito disponível para atender uma paciente – medida essa determinada pela própria direção do hospital, o Sindmepa informa que vai dar todo o apoio jurídico e institucional aos colegas envolvidos e que vai procurar, novamente, as autoridades de segurança do Estado, a fim de discutir, mais uma vez, a caracterização da chamada omissão de socorro, porque, se a interpretação sobre o tema continuar desvirtuada como está, ficará inviável para a categoria continuar a trabalhar no sistema público, especialmente na urgência e emergência, sob pena de, todos os dias, termos médicos sendo detidos como bandidos, coisa que não são.

Essa situação não é inédita. No mês de julho passado, outros colegas, que trabalhavam em uma clínica vinculada ao Sistema Único de Saúde (SUS) foram ameaçados de prisão por bombeiros militares que tentaram, à força, fazer com que um paciente fosse operado, quando não havia ali nem bloco cirúrgico disponível. Na ocasião, o Sindmepa buscou a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Segup) e manifestou preocupação em relação a uma possível repetição desse fato. Foi o que, infelizmente, acabou acontecendo, já que nenhuma providência foi tomada.

Quem tem que prover leitos para atender a população não é a categoria médica, mas sim, os gestores da saúde. A esse profissional cabe apenas prestar atendimento clínico. Por isso, o Sindmepa lamenta o ocorrido e conclama as autoridades responsáveis para que tomem o caso como um mote para discutir seriamente a saúde no nosso Estado, buscando oferecer melhores condições de trabalho e remuneração não só à categoria médica, mas a todos os profissionais da saúde.

O Sindmepa reitera, ainda, que vai aguardar a apuração dos fatos, garantindo aos colegas médicos o amplo direito de defesa e chamando a categoria para, em breve, realizar uma assembléia geral, na qual deverão ser discutidos esses graves problemas que não só estão afetando a imagem da categoria, como também contribuindo para uma precarização ainda maior do sistema público de saúde.

Diretoria Colegiada

Fonte : Sindmepa



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 616 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)