Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Psiquiatras criticam tratamento de Crack sem presença de médicos



08/06/2011
A Câmara Técnica de Psiquiatria do Conselho Federal de Medicina (CFM) criticou o modelo de combate ao crack. Para o coordenador do grupo, conselheiro Emmanuel Fortes (3º vice-presidente da entidade), não há tratamento eficaz contra a doença sem a presença do médico.

Em reunião na quinta-feira (2), em Brasília, a Câmara Técnica demonstrou preocupação com o aumento do consumo da droga e com a ineficácia do modelo de enfrentamento proposto pelo Governo, sobretudo na área de assistência psiquiatrica. "O que o Ministério da Saúde faz é maquiar a assistência. O usuário que chegar ao hospital precisa de atenção médica, pois somente este profissional poderá prescrever remédios e tratamentos que podem ajudar a reduzir a possibilidade quadros depressivos e comportamentos violentos dos pacientes", apontou Fortes.

Para os membros da CT, cada unidade de atenção psiquiátrica deve ter pelo menos um médico responsável e infra-estrutura capaz de auxiliar no tratamento do crack. Os estabelecimentos também devem obedecer o previsto pela Resolução CFM 1.834/2008. A regra determina a obrigatoriedade da presença de médico no local nas 24 horas, com o objetivo de atendimento continuado dos pacientes. Isso, independentemente da disponibilidade médica em sobreaviso nas instituições de saúde que funcionam dando suporte a tais estabelecimentos médicos.

Normas - A Comissão ainda finalizou uma minuta de resolução sobre Estimulação Magnética Transcraniana (EMT). Segundo o texto proposto, o procedimento poderia ser adotado como ato médico e reconhecido como válido e utilizável na prática médica nacional "com indicação para depressões, alucinações auditivas, zumbidos e dor crônica". A posição do grupo precisa ainda ser debatida e aprovada pelo plenário do CFM.

O grupo estuda a definição de estabelecimento de assistência médica e de hospitalização para exigir do Diretor Técnico Médico a adequação. Na próxima reunião, a CT de Psiquiatria irá analisar a Comunidade Terapêutica, os CAPS I e II e os Hospitais Psiquiátricos. Será alvo de investigação os Hospitais de Custódia e Tratamento Psiquiátrico, do sistema penal. Também será analisada pelo grupo, a condição de assistência aos doentes mentais que hoje estão no Sistema Prisional do Brasil em virtude da desestruturação da assistência implementados pelas políticas públicas em psiquiatria.

Participaram também da reunião da Câmara Técnica de Psiquiatria do Conselho Federal de Medicina os especialistas: Antônio Geraldo da Silva, Carlos Alberto Salgado, Carlos Zacarias, Givaldo José Medeiros, Josimar França e Juberty de Souza.
Fonte : CFM



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 618 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)