Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

A FENAM e o Conselho Nacional de Saúde


Foto: Alexandre Vieira
A FENAM e o Conselho Nacional de Saúde



15/10/2009
A participação da comunidade é uma das diretrizes da organização do Sistema Único de Saúde. Está prevista no art. 198 da Constituição Federal. Por ocasião da regulamentação do capítulo da saúde, em setembro de 1990, o então presidente da República, Fernando Collor, vetou os artigos da Lei Federal 8.080/90, que dispunham sobre os Conselhos e Conferências de Saúde. A reação imediata do movimento pela reforma sanitária fez com que, em dezembro do mesmo ano, fosse aprovada a lei 8.142. Essa lei dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do SUS. Dentre outras medidas, estabeleceu a realização periódica de Conferências de Saúde e o caráter permanente dos Conselhos de Saúde.

O art. 77 das Disposições Finais e Transitórias de nossa Carta Magna insculpe os Conselhos de Saúde na Constituição Federal, quando determina que os recursos do Fundo de Saúde devem ser acompanhados e fiscalizados por aquele órgão colegiado. Apesar disso, muitos negligenciam a importância dos Conselhos de Saúde. Uns alegam que a população desconhece a existência deles; outros que são apenas frutos das ideias românticas e revolucionárias dos militantes da reforma sanitária; outros mais denunciam o aparelhamento dos Conselhos pelo poder público para decretar sua falência.

Muitos interrogam se há algum papel estratégico e histórico para os Conselhos de Saúde neste momento. O que esses valorosos companheiros precisam compreender é que não há como queimar etapas históricas. Há 20 anos, esses organismos eram apenas uma proposta. Hoje, são realidade. É verdade que estão longe de ter o funcionamento sonhado por Sérgio Arouca. Ocorre que, como demonstrei, são instrumentos poderosíssimos de Controle Social da saúde. Não os únicos, certamente, mas imprescindíveis no estágio político atual.

A democracia é trabalhosa. Para grande parte de uma sociedade de cultura autoritária como a brasileira, a democracia é mesmo penosa. Bebendo em Gramsci, penso que ainda temos muito caminho pela frente até conquistar a hegemonia no campo da saúde. Na guerra de posições, cada passo adiante é uma vitória. Nesta luta do movimento pela reforma sanitária, já demos muitos passos vitoriosos. Não podemos retroceder, esmorecer ou dar passos em falso.

Por tudo isso, penso ser um grave erro político a FENAM não participar do processo que vai eleger as entidades que irão compor a próxima gestão do Conselho Nacional de Saúde (CNS). Tenho convicção de que teríamos votos suficientes para ocupar um dos assentos na representação dos trabalhadores de saúde. As demais entidades representativas dos trabalhadores de saúde têm responsabilidade e a dimensão da importância dos médicos no controle social da saúde.

Em política não há espaço vazio. Se essa decisão for mantida, o espaço da FENAM no Conselho Nacional de Saúde será ocupado. Os médicos, de alguma forma, estarão no CNS. Não com a mesma representatividade e legitimidade, mas estarão.
Fonte : Waldir Cardoso



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1420 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)