Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Serviço militar para médicos: Argollo diz que proposta é equivocada e autoritária


Foto: divulgação/Simers
Serviço militar para médicos: Argollo diz que proposta é equivocada e autoritária
Argollo acha que solução é criar carreira de Estado para médicos e não serviço militar obrigatório


05/10/2009
Equivocada e autoritária. Foi assim que o presidente da FENAM, Paulo de Argollo Mendes, definiu a proposta do governo federal, que, se for aprovada, tornará obrigatório o serviço militar para médicos e estudantes de medicina. O Projeto de Lei 6078/09, assinado pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, foi apresentado à Câmara dos Deputados no dia 19 de setembro e inclui o serviço militar obrigatório também para farmacêuticos, dentistas, veterinários e estudantes dessas áreas. O deputado Eleuses Paiva (DEM/SP), que é médico, diz que imposição não resolve o problema e acredita que o projeto não será aprovado na Câmara.

Uma das justificativas da proposta é a de que, geralmente, esses profissionais pedem adiamento ou dispensa das Forças Armadas quando convocados e isso gera uma demanda na realização de ações subsidiárias de assistência à saúde pelas Forças Armadas em áreas do interior do país e em comunidades pobres das regiões Centro-Oeste, Nordeste e Norte. "É cada vez mais grave a situação gerada pela ausência de médicos nas áreas mais carentes, ditas inóspitas, a exemplo da Amazônia, onde muitas vezes o único atendimento à população local, incluindo os indígenas, é realizado por ação das Organizações Militares de Saúde ou dos postos médicos localizados nos quartéis, como os Pelotões Especiais de Fronteira", assinala a proposição.

Para o presidente da FENAM, a luta das entidades médicas para solucionar o problema da falta de médicos no interior é constante e a solução é uma carreira de Estado, pela qual o médico vai para o interior iniciar sua carreira com a garantia de que será promovido ou deslocado para outra cidade depois de um determinado período, e não obrigado.

"É uma maneira equivocada de olhar para uma proposta que é do nosso movimento há muito tempo, que é a carreira de Estado para o médico. O que nós propomos é que se crie uma carreira para o médico, ou seja, que ele vá para o interior como faz o militar e o promotor de justiça, que têm a garantia de que serão promovidos com o passar do tempo. Esta é uma proposta autoritária, pois o médico já vai para o interior louco para ir embora e descontente", disse Paulo Argollo.

O deputado Eleuses Paiva (DEM/SP), da Frente Parlamentar da Saúde, também concorda que a imposição não resolve o problema e acredita que o projeto não vingará na Câmara dos Deputados.

"Acredito que o projeto não vai vingar. Acho que nada que você imponha às pessoas vai resolver. O que falta no país não é impor aos médicos um serviço obrigatório e, sim, uma política adequada para que permita a interiorização da medicina", afirma o deputado.

O projeto já foi encaminhado à Comissão de Seguridade Social e Família e tramita em caráter de prioridade na Câmara dos Deputados.

Ouça esta matéria também na rádio FENAM:
/>
Fonte : Taciana Giesel e Denise Teixeira



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1694 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)